Fortaleza de Primavera - Gravado




Em homenagem aos meus sonhos, às memórias e pessoas que são importantes para mim.

Finalmente gravei a Fortaleza de Primavera. Nesta música usei sete instrumentos, em que toco apenas cinco. Os primeiros três já apresentei na postagem do Memórias: Violão (Di Giorgio 1986), Baixolão (cedido novamente pela Ong Viva Vila) e Guitarra (Eagle STS 001). Minha velha e nova aquisição: Violino (Eagle VE 441), há um entretanto e conto ao decorrer do post; consegui emprestado uma Melodica/Escaleta da Escola de Língua Japonesa de Bragança Paulista. O Piano fiz por meio do programa Synthesia e a Bateria gravei pelo GuitarPro mesmo.

Foi bem mais complicado gravar do que imaginei.

Gravar cada um separadamente, sem mostrar erros era apenas o início de muito esforço. Tocar no violão era tranquilo, mas não tenho nível para tocar nos demais, especialmente na Melodica que apanhei muito. Depois ter que sincronizar todos e ter paciência para ver mais de cinco vezes o Camtasia dando erro e voltando ao começo, faz tudo parte desse processo que é criar um material como esse. Mas não me arrependo: apesar de ter odiado o som do violino, gostei muito de ter feito este vídeo. Eu prometi a muita gente que eu o faria. E o fiz.

Por minha sorte, os instrumentos foram gravados por cabo, exceto a melodica.

Caso Eagle VE 441
O violino foi um caso muito à parte.

Consegui um captador emprestado, já deixo aqui meu agradecimento para o Rafael Gonçalves, um músico extremamente compreensivo e bacana, que me deu dicas sobre música, além de ensinar cello, e me emprestou o captador. O captador é uma pecinha que fica colado no cavalete do violino e sai por um cabo. É muito interessante.

Mas acabou não dando o resultado que eu queria. O som ficou muito esquisito, parecendo que coloquei um canudinho e comecei a assoprar com um pedaço de papel. O pior é que estava afinado, ele não perdia para as outras notas, só o som mesmo que ficou uma droga.

Depois disso, gravei novamente e tentei usar o Guitar Rig com alguns "filtros", a qualidade tinha melhorado mas quando coloquei no vídeo, foi como trocar por favor por obséquio. Tentei durante dois dias fazer alguma forma para o violino dar certo. O som ficava uma porcaria de qualquer forma.

Cansado, resolvi então substituir o violino por algum som virtual ou gravar em outro instrumento. Cheguei a ideia de "dublar" usando um som virtual, e com a ajuda do FL Studio 11 (Harmor) consegui chegar num emulador do som! Salvei e substituí o som da gravação. O pizzicato usei o som do GuitarPro mesmo (MIDI).

Peço de coração desculpas por ter que fazer algo assim. Se existe um código de honra do músico, devo ter quebrado bem na raiz.

Não pude ser fiel quanto a guitarra. Na original (midi), ela fazia um som de celesta. Aqui na gravação, ela faz algo muito parecido com o que foi feito em Memórias, parece aqueles chords de fundo, sei lá. Mas não ficou tão ruim quanto poderia ser, deu uma atmosfera pro fundo ao menos. Na próxima dou uma importância maior.

Sou muito grato também ao Vinícius Princiotti, uma lenda musical, que me deu um apoio enorme desde o começo da nossa jornada musical, como também aos grupos EGS e Underground. Obrigado também ao Mike Martelli por emprestar o seu microfone profissional para testar os instrumentos, é realmente uma pena não ter dado certo, mas obrigado mesmo por emprestar.

Eu deveria agradecer muita gente... Fica meu agradecimento às pessoas que comentaram na postagem do Facebook: Gustavo Valle (o cara), Heloísa Campos, Iuri Lua (raper sempre raper), Naomi Imada, Caleb Ribeiro (um gênio do violão), Mario Kosokabe Jr (um gênio prodígio +8000), Gus (gênio do universo), Minoru Yokota (gênio da criatividade e do metal), Alex Muniz e Paul Inay Cruz (mais conhecido como Paulets) que deu um ótimo feedback.

Fica também uma nota para o Projeto Guri e a Ong Viva Villa.

Acho que é isso. Já já trago mais projetos musicais!

Muito obrigado!

(texto última vez atualizado: 19/11/14)

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Hey! Se quiser, comenta aí!